domingo, 6 de julho de 2008

Primeira Semana no Jogo da Capoeira

Essa noite eu sonhei com o jogo da capoeira, estava todo mundo, não faltava ninguém. Capoeira é isso, capoeira é luta, um pode acertar o outro, mas se está na roda para jogar. Meu coração pulava a cada sílaba que saia da boca do professsor. Sim, sim, dizia eu enquanto a felicidade inundava meu ser. Tenho muitos erros, demoro para acertar o passo. Esquivo, tiro o pé, não era para puxar a perna, puxo, mas continuo. Capoeira é defesa é ataque, é luta de corpo, é malandragem. Vamos lá, Vivi. Vamos, não vou desistir. A cada ginga, minhas pernas doem mais, a cada agaixada, meus músculos parecem que vão entrar em colapso e deixar o meu corpo. Não deixam, eu contino. Vamos aprender outro? Vamos! Cocorinha, é uma esquiva. Ginga prá cá, ginga prá lá e desce. Pegou? Mais uma vez? Ginga prá cá, ginga prá lá e desce? Pegou? Peguei. Repete, repete, repete, saiu! Viva! Tá bom, hora de aprender outro. Meu Deus, será que vou conseguir? Não é fácil, já dizia Hemingway, não há nada que seja fácil nessa vida. Há de se vencer barreiras psicológicas, barreiras físicas e barreiras genéticas. Alguém, um dia, disse que ao fazer isso estaria indo contra a minha essência. Por que essa não pode ser minha nova essência? Uma nova identificação, um novo retorno às minhas origens? Estou extremamente subjetiva? Sim, estou. Essa nova decisão fez-me sentir viva novamente. Não havia reparado o quão dependente eu estava, o quão ridícula a procura de algo para completar a mim memsma, mas foi necessária uma roda de capoeira, uma semana de capoeira para devolver a essência que estavam proclamando aos quatro cantos do mundo que estava indo contra. Essa é a minha vida agora, viver de acordo com os meus comandos, de acordo com o som do berimbau. Trouxe-me à vida novamente, tirou-me da depressão de dois anos e esfregou em minha cara que devo me amar, amar a quem eu sou. É na aula de capoeira. É lá que me senti viva. Mais viva do que um exército rumo à batalha final, mais viva do que todos poucos felizes do rei, mais viva do que o homem ao ver o nascimento de seu primeiro filho. E sabe o por quê disso? Porque essa noite eu sonhei com o jogo da capoeira, estava todo mundo, não faltava ninguém. Obirgada professor P., obrigada amigo R., vocês são pessoas abençoadas por Deus, protegidas pelos orixás. Ajudam-me como ninguém, acreditam em mim mais do que mim mesma. Obrigada por ajudarem a me tirar da depressão. Obrigada por me mostrarem que a vida vale a pena, obrigada por me mostrarem que, quando se referem a mim como a professora brasileira, tenho mais é que ter orgulho. É ginga de corpo, é malandragem.

3 comentários:

The tone disse...

Nussa!
Muito interessante como este texto não parece você. Primeiro, em português. É mais uma carta do que a prosa poética que vc costuma escrever, mas ao mesmo tempo, é tão fênix, ver vc se livrando das amarras da velha você... ver vc alçando novos voos! Adorei! Que a ginga da vida se revele a você...
^^

Rodrigo Rossato disse...

Parabéns Lady !

Belíssimo texto, belíssimo interior! Eu sabia que você era capaz de descobrir a sua verdadeira essência, que é essa garra e essa força que você possui, mas não conseguia encontrar...
Em seu texto é claro o entusiasmo pela descoberta, a perseverança para alcançar e aprender o novo, o prazer de se estar em movimento, o suor para provar seu valor para si mesma, e mais ninguém...essa é você, essa é a Mulher que admiro e que estava perdida, mas descobriu novos caminhos para retornar a si mesma, a sua Essência...é a isso que me referia quando falei em Essência, sua força, sua garra, sua inteligência, sua dedicação...VOCÊ !!!

Que como na Capoeira, você possa aprender todos os passos, para então adaptá-los à você, à sua forma de ser capoeirista e de jogar, usando as técnicas da vida, mas com a sua Essência !!!

Te adoro

Ed disse...

Hi, my Lady V.

Lovely writing, as usual. There's no secret, there are no hidden paths that lead to anywhere. There's only the way, the path, the road, the trip. And each human being on this God's earth has its own way. But there's no need to worry about where the way leads to. The only need and happiness is to walk the path and enjoy the trip. As in your fight, there are no rules but what your heart tells you to do. I like a song by Almir Sater and Renato Teixeira that I want to share with you:

Tocando em Frente

Ando devagar porque já tive pressa
Levo esse sorriso porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe
Só levo a certeza de que muito pouco eu sei
Eu nada sei

Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir

Penso que cumprir a vida seja simplesmente
Compreender a marcha e ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro levando a boiada
Eu vou tocando os dias pela longa estrada eu vou
Estrada eu sou

Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir

Todo mundo ama um dia todo mundo chora,
Um dia a gente chega, e no outro vai embora
Cada um de nós compõe a sua história
Cada ser em si carrega o dom de ser capaz
E ser feliz

Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir

Ando devagar porque já tive pressa
Levo esse sorriso porque já chorei demais
Cada um de nós compõe a sua história,
Cada ser em si carrega o dom de ser capaz
E ser feliz


Yours,

Ed